desabafos em rodapé

coisas que me agastam, apesar de ser sábado!

menina primavera, caso ande por aí, e me queira dar alguma atenção, apenas lhe pergunto:

– Por que razão todos os anos se anuncia com cores e cenário a preceito, para depois me dar céu nublado?

Era só isto. Parece-me haver da sua parte alguma timidez em impor-se ao inverno e dizer-lhe com algum autoridade que o seu dia chegou. Pode por isso, ele, o tal que nos fustiga com intempéries, movimentar-se em direção a outros lados. Caso não seja desejado em local algum, o problema, cara primavera, não é seu, nem nosso. Espero por isso, da sua parte, firmeza, resolução, força, vigor, robustez, determinação para dizer: basta. Tenho uma planta no meu terraço designada por capuchinha, com uma cor revigorante, e olho para ela neste momento, e percebo o seu lamento quando se ergue e é brindada com farta nebulosidade e ausência de raios solares. E sabe, sem querer ofender; é todos os anos a mesma coisa. Muito anúncio, muita lambança, e no fim é como diz o povo: “muita parra e pouca uva”.

isto é o que vejo da minha janela. fixe-se, por favor, primavera, na imensidão de partículas de água suspensas na atmosfera…sol que é bom, onde? onde é que anda?

21032015999

Agora, enterneça-se com a singela aparência da flora que possuo no meu terraço.

21032015997

Não queremos piedade. Não “somos audiência” para coitadinhos.Só queremos aquilo a que temos direito. Isto é um pedido informal para evitar ofícios, burocracias,  e termos de andar à procura do carimbo “diferido” num qualquer obscuro balcão de uma secretaria com cheiro a mofo.

Advertisements

4 thoughts on “coisas que me agastam, apesar de ser sábado!”

  1. A Primavera é uma criança alegre e irrequieta. O Inverno, um velho pesado e rabugento, provavelmente senil. Uma menina jamais conseguiria arrastar, empurrar e/ou expulsar o idoso… o velhote deixa-a fazer o que quer e pouco tarda para bater as botas. É ter pachorra e deixá-lo partir com dignidade e o tempo que demora, a garota entristece-se de ver o cotinha assim. Quando ele morrer, batemos em latas, rompemos aos saltos e aos pinotes… e mandamo-lo para outras paragens, mas de burro!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s