desabafos em rodapé

o que estás a fazer, Mia dos desabafos?

se dissesse que me apetecia estar a ver a banda passar cantando coisas de amor, acreditavam?

 

Advertisements

16 thoughts on “o que estás a fazer, Mia dos desabafos?”

  1. ACREDITO POIS…
    *´¨)
    ¸.•´¸.•*´¨) ¸.•*¨)
    (¸.•´ (¸.•` ** Beijinhos no teu…
    ___00000___00000________
    __0000000_0000000_______
    __000000000000000_______
    ___0000000000000________
    ____00000000000_________
    ______0000000___________
    ________000_____________
    _________0______________
    __________0_____________
    ____________0___________

  2. Oh, céus, como começar… Eu gostava muito de Chico Buarque. Mas simplesmente não consigo mais tocar seus discos, desde que o vejo a chafurdar junto aos bajuladores do governo – embora, talvez, não pelos mesmos motivos. Cá se diz: “quem vive com porcos come farelo”. Muito me entristece vê-lo lambuzado de farelo até os ossos.

    1. Estando separada por uma quantidade de litros de água salgada considerável e, apesar de me manter informada, há pormenores que não alcanço. E ainda bem. Neste caso, preferia não saber que Chico Buarque se lambuza dessa forma. Não mais afastarei de mim, cálice nenhum.

      1. Perdoe-me pela informação. Talvez fosse melhor continuar com o Chico genial. Detesto quando meus mitos são derrubados. Porque lamento minhas ilusões que os ergueram.
        Talvez, por isso mesmo, considere ainda mais condenável a atitude do Chico. Porque, quando a máscara caiu (2003), dei-me conta de que passei treze anos iludido com a roupa invisível do rei nu. Foi péssimo mas, na mesma medida, libertador. Por isso, vê-lo a insistir nos bolsos do manto inexistente me irrita muito. Porque o mito, que eu considerava de grande visão, mostra-se miseravelmente cego – embora com olhos sãos. É que cá se diz que “o pior cego é o que não quer ver” – aí também?

      2. ” O mito é o nada que é tudo” dizia Fernando Pessoa. Chico Buarque, agora, é um nada que, para muitos muitos, já foi um mito.
        Quanto ao adágio popular, temos esse, e ainda: “em terra de cegos, quem tem olho é rei”.

      3. Bela definição. Fernando Pessoa é tudo.
        Essa da terra de cegos também temos cá. E temos também a adaptação de Millôr Fernandes: “em terra de cegos, quem tem um olho é caolho”.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s