desabafos em rodapé

exposição

à chuva, ao nevoeiro, e a uma certa aragem carregada de frio vindo de sítios muito conhecidos pelos especialistas que nos informam sobre alertas de cores vibrantes, e que carregam avisos muito concertados com a palavra cautela. a exposição fez-se logo de manhãzinha, e com o correr do dia, muitas eram as pessoas também a colaborar no mesmo desafio, e depois com as horas corridas, que o tempo não tem misericórdia, expõem-se as luzes lá fora,  muito amarelas, vertidas por lâmpadas colocadas em candeeiros muito altivos, mas que nos fazem o favor de se curvar um bocadinho lá em cima, num ato carregado de bondade e amparo,  e o dia quase no fim, e agora o recolher, todo ele muito discreto, de certa forma apático no ser e no atuar, e que importa, no fim tudo se conjuga, entre o muito que o  dia exigiu, e o pouco que se espera que lhe esteja reservado lá mais para o fim. está um senhor a cantar com voz melodiosa “it’s up to you New York”, ele lá sabe as conversas que tem a esta hora do dia. as minhas, também só eu é que sei, sem exposição, nem exibição, assim muito cá para dentro, apesar de não parecer. mas é.

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s