coisas minhas, desabafos em rodapé

o meu vizinho do lado

olhos azuis penetrantes, límpidos, claramente um atleta no que ao salto diz respeito: demonstra habilidade a saltar para baixo e para cima, para os lados e mais ainda.   ouso dizer também, que deve ter ótimas capacidades como grande entendido na lavoura. a sua presença no meu terraço foi notada há coisa de uma semana a esta parte. descobrimos agora, porque foi apanhado em flagrante, que é ele que nos tem escavado os canteiros que lá temos. calha não estarem plantados por sermos mesmo desleixados e o verão ter sido tão intenso que não nos deixou vontade de iniciar plantio. agora, Clóvis, acordámos este nome, pois de algum modo, o felino anda numa demanda de unir território- creio que os vasos do terraço onde vive, e ainda os meus canteiros- tentando formar um único reino, dono e senhor de um vasto império à escala de densidade populacional dos nossos prédios (são contíguos). a ver vamos, se tenho de iniciar um diálogo diplomático, uma vez que as investidas são cada vez mais frequentes e ousadas, e há que ter em conta que este tipo de expansionismo tem de ser controlado.

bom dia, Clóvis

clovis clovis 2

e assim se vai vivendo, aqui, no terceiro esquerdo, com vizinhos abusadores e …lindos, vá! não posso negar!

Advertisements
coisas minhas

dia da independência

conjurados a bater à porta do Palácio para dar conta de Miguel de Vasconcelos,  da senhora dona  duquesa e do poder instalado com promessas não cumpridas, descontentamento e revolta, séculos depois, um pouco de preguiça, feriado,e boto os olhos neste parágrafo:

Pessoas com carreiras de sucesso acordam cedo – Jack Dorsey, fundador do Twitter, acorda por volta das 05h30 e aproveita para meditar. Tim Cook, CEO da Apple, é conhecido na empresa por enviar e-mails de trabalho às 4h.30. Tim Armstrong, CEO da AOL, acorda às 5h00. Vittorio Colao, chefe executivo da Vodafone, desperta por volta das 06h00 e não abdica de 40 minutos de exercício intensivo. 

Eu, presidente do conselho de administração do 3º esquerdo, sito no lote 10, dispenso tal prática. Às sete, já é criminoso. Imagine-se números abaixo. Conclui-se daqui, que a minha carreira é de uma pelintrice agonizante. terminamos a dizer ” who cares?”, mesmo que isso seja foleiro.

Com o Dia da Independência a terminar, resta-me desejar bom fim de semana.

coisas minhas, desabafos em rodapé

o que se passa no 3º esquerdo?

uma espécie de web summit.

tendo em conta que se estava na cozinha e, embora, não sendo uma FIL ou Altice e assim, é um espaço onde acontece tecnologia e empreendedorismo praticamente todos os dias. ora estava eu de volta da minha startup , onde a base tecnológica é composta por um jeitoso fogão a gás com quatro bicos de dimensão razoável e equilibrada, quando o meu espírito empreendedor se lançou numa demanda de mergulhar vegetais numa panela de considerável qualidade, onde se há de esperar que os mesmos, viçosos e prontos a colaborar, iniciem um rodopio elegante, num movimento muito lá deles. depois de terem andado à roda um bocadinho de tempo, já bem tontos, fez-se questão de os sossegar, desta feita, para iniciarem de novo, mais um rodopio, só que agora submetidos à força de uma inovação tecnológica do século passado: a varinha mágica. e eis que, num nano segundo, tudo se desmoronou. fez PUM a varinha, desligaram-se as tomadas, silêncio na cozinha, e um nadinha de odor  a fios queimados fez-se sentir de forma acentuada. valendo-me do facto de ter uma substituta logo ali à mão de semear, ainda muito nova, muito clean, e lá se conclui a função. Os clientes que esperavam pelo produto final aprovaram a maquineta, louvaram-lhe as dezasseis velocidades – eu, que só tenho duas (devagar e parada) – fiquei com alguma inveja daquele bocado de metal e plástico de “estrutura simples que permite a utilização confortável com apenas uma mão, graças à pega ergonómica e à disposição inteligente dos botões.”