coisas minhas

twilight zone

bom, estou mesmo a ser presunçosa no que ao título diz respeito, mas reservo-me esse direito num dia como hoje, em que não defini muito bem como seria a melhor forma de me escapar a um assunto burocrático, aborrecido e até um nadinha melindroso. para aliviar a tensão, entrei no “meu sofá cinzento” e dei de caras com necessidade de uma boa limpeza. abri o spam, que é como quem diz, o armário do terror, e numa das “prateleiras”, o que leio?

isto:

Buenas, precisaría una columna que me calcule
las horas nocturnas, las mismas son las de veintidos en adelante.
, La mayoría de los relojes CASIO para hombre han superado la prueba de resistencia al agua de hasta 10 bar – algunos aun los veinte bar.

tudo certo, sim senhor. quem sou para duvidar de uma conversa pra aí em castelhano e que inclui uma medida “bar”, com a qual não tenho grande afinidade? não sou ninguém, claro. a não ser que eu seja a proprietária de um espaço virtual, onde me arrogo o direito de ficar perplexa com o lixo que me varrem pra debaixo da porta. terei cara de otária? e o mais incrível é que é suposto ser aprovado como comentário num artigo intitulado “Hard Rock Cafe, Porto”. 

Advertisements
coisas minhas

opiniões

segundo algumas pessoas que trabalham comigo, por acaso foi só uma- é muito invejosa: ela é alta , loura, bonita, boa figura… mas tem de embirrar comigo à hora do almoço. que fazer? aguentar. descobri que devo estar  a ser vítima de bullying. então, segundo essa pessoa, eu estou aquém daquilo que define uma blogger, a saber  e nomeadamente em particular: não mostro tendências, não falo em novidades, não aconselho, não exponho o melhor que há em mim, seja de frente ou de perfil, e sou por isso, alguém que devia comer mais iogurte SKYR comprado em local próprio e conceituado. a este, deveria juntar aveia, tratar de a amaciar antes da junção proposta, claro, e quiçá submergi-la em   pedaços de fruta da época. pois fiquem sabendo que eu tenho alguma dificuldade com a aveia, mas como, como, e não desdenho , não senhor,  não gosto do dito iogurte, demasiado pastoso para o meu palato, e quanto  a novidades , tendências e amostragens das minhas mais valias não o sei fazer de forma competente. deixo, por isso, para quem consegue tratar esse segmento por tu, subjugá-lo à sua eficiência no ato de transmissão.

leste A. C. C. ? isto é para ti. em registo público. assim aprendes a moderar comentários ácidos à hora do almoço.

momento de pausa.

agora arrependi-me de ter escrito tanto sobre o assunto, se calhar entusiasmei-me. exagerei nos maus tratos a mim infligidos, e ainda hei de constatar que me dou muito bem com  a tal pessoa que apelidei de bully, apenas para ocupar espaço numa pretensa crónica cheia de excessos. vou ter de fazer algo em relação a isto. não parece bem.

coisas minhas, desabafos em rodapé

Retrato

Eu não tinha este rosto de hoje,
Assim calmo, assim triste, assim magro,
Nem estes olhos tão vazios,
Nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,
Tão paradas e frias e mortas;
Eu não tinha este coração
Que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança,
Tão simples, tão certa, tão fácil:
— Em que espelho ficou perdida
a minha face?

Cecília Meireles

coisas minhas, desabafos em rodapé

e logo ali se puseram à conversa

todas juntas eram duas. seguravam algumas compras na mão, e na máquina de despachar rápido self service – à exceção de quando nos mandam aguardar pelo assistente- que funcionam nos supermercados, lá estavam ambas, a segurar as compras, poucas , de braçado (creio que já tinha dito isto. verborreia pura, portanto!), ainda pensei que talvez se pudessem mover um pouco para facilitar o meu uso self service, mas não, insistiam naquela imobilidade.

-daqui não saio, daqui ninguém me tira – pareciam dizer com os olhos, e eu a pensar que se tivesse pachorra perguntava-lhes se estavam “à espera de godot,” ou outra coisa assim,,

fiz o que tinha a fazer com dificuldade, pois as múmias não se mexeram, e ao sair, ainda eu não tinha percebido se estavam à espera do assistente, de godot, de um milagre, ou que viesse a terça feira, sem ser necessário passar pela segunda.

mistérios do universo, sem dúvida, ou coisas que acontecem em qualquer supermercado perto de nós.

coisas minhas, desabafos em rodapé

olhem que realmente

mais valia ter estado calada. isto de fazer anúncios de forma determinada e categórica, para logo a seguir, uma semana depois, mais concretamente, falhar em toda a linha, leva a uma reflexão sobre o que significa determinação. estava eu muito cansada. isto foi ao fim de um dia de trabalho. por acaso era uma quinta-feira. sem apetite para fazer o jantar, ou sequer comer o que me apresentassem à mesa, declarei solenemente que a partir daquele dia, não mais haveria necessidade de se fazer o que quer que fosse parecido com o conceito “jantar”. com o correr dos dias, e esquecida do que tinha afirmado, ainda ontem cheguei a casa, fiz jantar e dei-me conta do comentário  em uníssono sobre o que tinha acontecido à determinação da semana anterior sobre a temática que fumegava na mesa. distribuí um guardanapo por prato e aconselhei moderação na constatação, não fosse acontecer um “levantamento de rancho” efetuado por não militar de alta patente, pois é de bom senso acatar a filosofia de vida ” a mãe é que sabe.”

coisas minhas, desabafos em rodapé

ritmos

Logo de manhã toca o despertador em ritmo alucinante e bastante enervante que me obriga a dar resposta capaz e eficiente: virar-me para o lado, pois é impossível ao meu metabolismo responder de forma imediata à chamada. Entretanto, alguns breves minutos após ( às vezes mais de dez), emanam ordens específicas da minha cabeça no sentido de haver alguma movimentação, pois o relógio não pára (com acento) e, lentamente, as pernas viram-se em direção ao chão, os pés tocam nos chinelos e é o início de todo um processo: e 1,  e 2 e 3, e… nada, que isto não se coloca um corpo em movimento assim por dá cá aquela palha. Insiste, insiste, está bem, eu insisto. E o ritmo a instalar-se, e eu já quase, quase, a ser…quase.

bom dia.