coisas minhas, desabafos em rodapé

se o outono fosse meu

escrevia-o com letra maiúscula para se ver melhor. retirada que foi essa dimensão, cobre-se de cores que nos hão de acompanhar durante largos dias e semanas. se o outono fosse meu, fazia-o fresco: as manhãs nubladas com cheiro a orvalho, para logo a seguir despontar o Sol que, estendendo braços à nossa volta, não nos havia de apertar com calor.

o outono na horizontal

20171001_144215

e agora, o outono na vertical

20171001_144155.jpg

e daí, desse lado, se o outono fosse seu?

coisas minhas

se estiverem por coimbra…

vão por mim até ao jardim botânico. dia 14 é dia de “pisar folhas secas”

FOLHAS SECAS

pensando melhor, não é preciso estar em coimbra, nem no jardim botânico. a matéria-prima encontra-se por todo o lado agora que estamos no outono. eu estou na disposição de praticar. o problema é que a chuva que tem caído, veio retirar-nos o prazer de ouvir o restolhar por cada pisadela que façamos. agora, ficou sem graça. já não sei se vou ou não.mas acho que vou. afinal, por cada levantamento (mudança de planos, face ao proposto no folheto) de folhagem  é como se fizesse uma lavagem de alma que, por sinal,  anda pesadita. é isso, está decidido. só mais um pormenor: farei reportagem fotográfica? é que eu tenho tanta dificuldade em “auto-selflar”.